Lua_ +
  _Piadas Jeito e Talento       _Piadas Jeito e Talento                  
                 
  CURIOSIDADES DE CULTURA E FOLCLORE
CURIOSIDADES DE CULTURA E FOLCLORE
 
CULTURA, FOLCORE, FESTEJOS, FESTAS, CARNAVAL, JUNINAS, MÁSCARAS, CARNAVAL, HISTÓRIA, ORIGEM...

menu curiosidades A ORIGEM DAS FANTASIAS DE CARNAVALO QUE É PASSISTA DE ESCOLA DE SAMBA?COMO SURGIU A MÁSCARA DE CARNAVALA HISTÓRIA DO REI MOMOO QUE É SAMBA-ENREDO E COMO SURGIUMITOS E LENDAS DO BRASILQUESITOS DAS ESCOLAS DE SAMBAMITOS JAPONÊS, HINDU E CHINÊSA ORIGEM DO CARNAVALO TEATRO NO MUNDOQUANTO CUSTA PARA SER RAINHA DE ESCOLAS DE SAMBA?POVOS INDÍGENAS DO BRASILCARNAVAL E SUAS ORIGENSFOFÃO - O SÍMBOLO DO FOLCLORE MARANHENSEO QUE É FANTOCHEA HISTÓRIA DO CARNAVALO CARNAVAL NO BRASILO TEATRO MAMBEMBEOS BONECOS DE OLINDALENDAS E MITOS MARANHENSESO SIGNIFICADO DE MITOLOGIACOMO SURGIU O TEATRO DE FANTOCHES

RELACIONADOS: CURIOSIDADES RECEITAS FOTOS
 
 
17 - MITOS E LENDAS BRASIL _Burin Auto Center_pneus, alinhamento, balanceamento _Portal Jeito e Talento_variedades
 

 

"As lendas são estórias contadas por pessoas e transmitidas oralmente através dos tempos. Misturam fatos reais e históricos com acontecimentos que são frutos da fantasia. As lendas procuraram dar explicação a acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais.
Os mitos são narrativas que possuem um forte componente simbólico. Como os povos da antiguidade não conseguiam explicar os fenômenos da natureza, através de explicações científicas, criavam mitos com este objetivo: dar sentido as coisas do mundo.
Os mitos também serviam como uma forma de passar conhecimentos e alertar as pessoas sobre perigos ou defeitos e qualidades do ser humano. Deuses, heróis e personagens sobrenaturais se misturam com fatos da realidade para dar sentido a vida e ao mundo.

Algumas lendas e mitos do folclore brasileiro:

BOITATÁ
Representada por uma cobra de fogo que protege as matas, florestas e os animais. Possui a capacidade de perseguir e matar aqueles que desrespeitam a natureza. Acredita-se que este mito é de origem indígena e que seja um dos primeiros do folclore brasileiro. Foram encontrados relatos do boitatá em cartas do padre José de Anchieta, em 1560. Na região Nordeste do Brasil, o boitatá é conhecido como fogo que corre.

BOTO
A lenda do boto surgiu, provavelmente, na região amazônica. Esta figura folclórica é representada por um homem jovem, bonito e charmoso que seduz mulheres em bailes e festas. Após a conquista, conduz as jovens para a beira de um rio e as engravida. Antes da madrugada, ele mergulha nas águas do rio para transformar-se num lindo boto.

CURUPIRA
Assim como o boitatá, o curupira também é um protetor das matas e dos animais silvestres. Representado por um anão de cabelos compridos e com os pés virados para trás. Persegue e mata todos que desrespeitam a natureza. Quando alguém desaparece nas matas, muitos habitantes do interior acreditam que é obra do curupira.

LOBISOMEM
Este mito aparece em várias regiões do mundo. Diz o mito que um homem foi atacado por um lobo numa noite de lua cheia e não morreu, porém desenvolveu a capacidade de transforma-se em lobo nas noites de lua cheia. Nestas noites, o lobisomem ataca todos aqueles que encontra pela frente. Somente um tiro de bala de prata em seu coração seria capaz de matá-lo.


MÃE-D'ÁGUA
Encontramos na mitologia universal um personagem muito parecido com a mãe-d'água: a sereia. Este personagem tem o corpo metade de mulher e metade de peixe. Com seu canto atraente, consegue encantar os homens e levá-los para o fundo das águas.

CORPO-SECO
É uma espécie de assombração que fica assustando as pessoas nas estradas. Em vida, era um homem que foi muito malvado e só pensava em fazer coisas ruins, chegando a prejudicar e maltratar a própria mãe. Após sua morte, foi rejeitado pela terra e teve que viver como uma alma penada.

PISADEIRA
É uma velha de chinelos que aparece nas madrugadas para pisar na barriga das pessoas, provocando a falta de ar. Dizem que costuma aparecer quando as pessoas vão dormir de estômago muito cheio.

MULA-SEM-CABEÇA
Surgido na região interior, conta que uma mulher teve um romance com um padre. Como castigo, em todas as noites de quinta para sexta-feira é transformada num animal quadrúpede que galopa e salta sem parar, enquanto solta fogo pelas narinas.

MÃE-DE-OURO
Representada por uma bola de fogo que indica os locais onde se encontra jazidas de ouro. Também aparece em alguns mitos como sendo uma mulher luminosa que voa pelos ares. Em alguns locais do Brasil, toma a forma de uma mulher bonita que habita cavernas e após atrair homens casados, os faz largar suas famílias.

SACI-PERERÊ
O saci é representado por um menino negro que tem apenas uma perna. Sempre com seu cachimbo e com um gorro vermelho que lhe dá poderes mágicos. Vive aprontando travessuras e se diverte muito com isso. Adora espantar cavalos, queimar comida e acordar pessoas com gargalhadas.

LENDA DA CAIPORA
É um Mito do Brasil que os índios já conheciam desde a época do descobrimento. Índios e Jesuítas o chamavam de Caiçara, o protetor da caça e das matas. É um anão de cabelos vermelhos com pelo e dentes verdes. Como protetor das árvores e dos animais, costuma punir o os agressores da natureza e o caçador que mate por prazer. É muito poderoso e forte.
Seus pés voltados para trás serve para despistar os caçadores, deixando-os sempre a seguir rastros falsos. Quem o vê, perde totalmente o rumo, e não sabe mais achar o caminho de volta. É impossível capturá-lo. Para atrair suas vítimas, ele, às vezes chama as pessoas com gritos que imitam a voz humana. É também chamado de Pai ou Mãe-do-Mato, Curupira e Caapora. Para os índios guaranis ele é o Demônio da Floresta. Às vezes é visto montando um Porco do Mato."

Fonte de Pesquisa:
pt.wikipedia.org/wiki

www.curiosidades.jeitoetalento.com.br



+
Revista Jeito e Talento - Ensino - Cultura - Arte

_Dicas|dicas jeito e talento

 
  Revista Jeito e Talento - Ensino - Cultura - Arte PASSISTAS DE ESCOLA DE SAMBA_fotos JT
 
  ESPECIAL CARNAVAL_especiais JT
Especial Jeito e Talento - Futebol  
  ...Enigmas JT_treine seu raciocínio...
 
 
18 - POVOS INDÍGENAS DO BRASIL _Curiosidades JT_saiba tudo sobre tudo _Anuncie Aqui!
 

 

" Na época do Descobrimento quando os portugueses chegaram ao litoral brasileiro, dando início ao processo de ocupação, perceberam que a região era ocupada pelos povos nativos. A estes nativos os portugueses deram o nome de índios, pois acreditavam ter chegado às Índias.

Mesmo após a descoberta de que não estavam nas Índias, e sim em um território desconhecido, os europeus continuaram a chamá-los assim, ignorando propositalmente as diferenças linguístico-culturais. Desta maneira era mais fácil tornar todos os nativos iguais e tratá-los também de forma igual, já que a finalidade era o domínio político, econômico e religioso.

Ainda que não se tenha um conhecimento exato quanto ao número de sociedades indígenas existentes no Brasil à época da chegada dos europeus, existe estimativas sobre o número de habitantes nativos naquele tempo, algo em torno de 5 milhões de indivíduos.

O processo de colonização levou à extinção de muitas sociedades indígenas que viviam no território dominado, seja por meio das guerras, seja em consequência do contágio por doenças trazidas dos países distantes como a gripe, o sarampo e a varíola, que vitimaram, muitas vezes, sociedades indígenas inteiras, em razão dos índios não terem imunidade natural a estes males, ou, ainda, pela imposição aos índios à nova maneira de viver.

Sem poder enfrentar os portugueses na guerra e não querendo conviver pacificamente com eles, muitos indígenas resolveram fugir para o interior do território, na tentativa de manter seu modo de vida, longe dos invasores. Apesar disso, muitos desses índios acabaram aprisionados e transformados em escravos.


A classificação indígena


Os portugueses conheceram primeiro os povos que viviam no litoral. Por terem traços culturais semelhantes entre si, eles receberam dos colonizadores uma denominação geral: Tupi ou Tubinambá. Os outros grupos que tiveram menor contato, como os povos que habitavam o interior do território e que não falavam a língua que os jesuítas deram o nome de "língua geral" ou "língua mais usada na costa do Brasil", os portugueses deram o nome de Tapuia.
Esta classificação foi extremamente importante para o registro das informações sobre os índios produzidas pelos portugueses, franceses e outros europeus. Sem os documentos produzidos pelos colonizadores, as crônicas dos viajantes, a correspondência dos jesuítas e as gramáticas da "língua geral" e de outras línguas, não teríamos como saber sobre os nativos, sua cultura e sua história.


Sociedades indígenas


À medida que os colonizadores foram explorando o território, perceberam que essas populações dividiam-se em centenas de povos que falavam línguas distintas, tinham costumes e hábitos diferentes. Estima-se que na época eram faladas cerca de 1.300 línguas indígenas diferentes.

Para estudarmos os povos indígenas, estes foram agrupados de acordo com as semelhanças existentes entre suas línguas. Desta forma são reunidos povos com características culturais comuns. A classificação linguística reconhece a existência de dois troncos principais (tupi e macro-jê) e de outras seis famílias linguísticas de significativa importância (aruak, arawá, karib, maku, tukano e yanomami), além de muitas línguas sem filiação definida, não classificadas ou isoladas.

Atualmente essa população está distribuída em aproximadamente 215 etnias, que falam cerca de 170 línguas diferentes, excluindo-se os índios isolados. Muitos índios falam unicamente sua língua, desconhecendo o português e outros falam o português como sua segunda língua.

Aproximadamente 60% da população indígena brasileira vive na região designada como Amazônia Legal, área esta que engloba nove estados brasileiros pertencentes à Bacia amazônica e, que possuem em seu território trechos da Floresta Amazônica, entretanto registra-se a presença de grupos indígenas em praticamente todos os estados brasileiros. Apenas no Rio Grande do Norte, Piauí e no Distrito Federal não se encontra grupos indígenas.

Os principais grupos indígenas brasileiros em expressão demográfica são: Tikuna, Tukano, Macuxi, Yanomami, Guajajara, Terena, Pankaruru, Kayapó, Kaingang, Guarani, Xavante, Xerente, Nambikwara, Munduruku, Mura, Sateré-Maué, entre outros."

www.curiosidades.jeitoetalento.com.br



+
Revista Jeito e Talento - Eventos e Festas

_Grife JT

 
  Revista Jeito e Talento - Portal ESPECIAL CARNAVAL_especiais JT
 
  COSPLAY GIRLS_fotos JT
Especial Jeito e Talento - Aniversários  
  ...Guardião = Segurança Eletrônica...
 
 
19 - O SIGNIFICADO DA MITOLOGIA _Controller_Assessoria Contábil _Loja do Sidney_calçados, enxovais, confecções em geral
 

 

"O que é Mitologia:

Mitologia é a história de personagens sobrenaturais, cercados de simbologia e venerados sob a forma de deuses, semideuses e heróis, que regiam as forças da natureza, comandavam raios, ventos, rios, céus e terras, sol e lua. É o conjunto de fábulas que explicam a origem dos mitos, das divindades mitológicas, que tinham nas mãos o destino dos homens e regiam o mundo.

Mito, do grego, significa narrar, contar. No sentido figurado significa coisa inacreditável. Mito significa também personagem divinizado. Logia, do grego lógos, significa estudo, palavra, ciência.

Mitologia é o estudo das lendas, mitos, narrativas e rituais, com que os povos antigos revenciavam os deuses e heróis. Mitologia é a ciência que procura a explicação dos mitos, que têm um caráter social desde sua origem, e só são compreensíveis dentro do contexto geral da cultura em que foram criados.

Significado filosófico de mitologia As culturas antigas, na tentativa de enfrentar os problemas relacionados à existência da vida e de entender o mundo, encontraram um meio de se defender dos perigos reais e imaginários, criando seus deuses, semideuses e heróis, envolvidos em histórias de magia e rituais fabulosos, diante das forças misteriosas que acreditavam tudo governava. Os atos mágicos significavam um esforço do homem em entender e resolver seus problemas, que eram enormes diante do seu desconhecimento do mundo.

Mitologia grega

Mitologia grega é a história dos inúmeros deuses imortais, criaturas semidivinas e musas, criadas na Grécia antiga, e que atravessaram os séculos. A mitologia grega surgiu como tentativa para as explicações dos fenômenos naturais, ou como garantia de vitória nas guerras, de boa colheita, de sorte no amor etc. As divindades gregas eram dispostas numa hierarquia e seus deuses eram muito semelhantes ao homem. As atitudes de ciúme, inveja, despeito e amor, eram comuns, pois os deuses do Olimpo comportavam-se como criaturas humanas. Só que eram dotados de maiores poderes, de mais beleza e perfeição e imunes ao tempo.

Zeus era o senhor dos homens e supremo mandatário dos deuses que habitavam o monte Olimpo. Para obter as boas graças, os gregos homenageavam as poderosas criaturas com ritos, festas e oferendas. Cada entidade representava forças da natureza ou sentimentos humanos: Afrodite representava (a beleza e o amor); Atena (a sabedoria); Artêmis (a lua); Dionísio (a festa, o vinho e o prazer); Deméter (a terra fértil); Febo (o sol); Hermes (o vento); Posseidon (os mares) etc.

Os principais heróis gregos, quase deuses, eram capazes de vencer monstros, combater inimigos e realizar feitos impossíveis aos mortais. Entre eles estão: Perseu (matou a Medusa, terrível criatura com cabeleira formada por serpentes, cujos olhos transformavam em estátuas de pedra todos aqueles que a encarassem); Teseu (participou da viagem dos argonautas e matou o Minotauro); Héracles (Hércules, para os romanos), (filho de Zeus e Alcmena, tinha como principal qualidade a força física); Agamenon (foi o comandante da Guerra de Troia); Aquiles (participou do cerco a cidade de Troia); Édipo (decifrou o enígma da esfinge); Atlanta (heroína que participou da caça ao javali de Caridon).


Mitologia romana

A mitologia romana é a história de vários deuses e heróis, que foram admirados durante o Império Romano, oriundos de divindades etruscas, celtas, egípcias, itálicas e principalmente gregas, quando a Grécia passou a fazer parte do Império Romano.

Nos primórdios do Império, os deuses existiam apenas para servir ao homem e como o povo era normalmente camponês, os romanos cultuavam os patronos dos rebanhos e dos campos. Ofereciam-lhes animais, vinho e incenso antes das colheitas e os deuses eram invocadas para proteger os trabalhos do campo.

Entre os deuses conquistados por Roma, os gregos foram os mais importantes, e ao serem incorporados na Assembléia Divina de Roma, fizeram os romanos reformularem sua concepção das forças sobrenaturais. Eles perderam seu aspecto utilitário e assumiram características humanas. Alguns deuses desapareceram e outros mudaram de nome e receberam várias atribuições. Assim, Júpiter (era o deus supremo, o deus da cidade, do raio e do trovão); Vênus (deusa da beleza e do amor); Minerva (a sabedoria); Diana (deusa da lua e da caça); Baco (deus do vinho e dos bacanais); Ceres (a terra fértil); Apolo (o sol); Mercúrio (o vento); Netuno (os mares) etc. Hércules, que na mitologia grega era chamado de Héracles, passou a ter maior importância no Império Romano. Famoso por sua força, enfrentou difíceis tarefas para matar monstros e animais ferozes.


Mitologia egípcia

A mitologia egípcia é o conjunto de fábulas que reuniu uma considerável variedade de deuses, imersos na força da religião, que servia para justificar teoricamente a organização geral da sociedade, que vivia em função dos deuses, seguindo os princípios por eles estabelecidos.

Centenas de deuses protegiam a agricultura, outros a linguagem, o ensino e a literatura. Cada cidade ou distrito tinha seus próprios deuses. Osíris era o deus da morte, pois os egípcios acreditavam que o homem ao morrer, passavam a viver de outro modo, no mundo dos mortos, daí a prática de se mumificar os mais ilustres mortos. Amon, ou Amon-Ra, era o deus do sol, elevado a deus nacional na XI dinastia. Foi a maior divindade egípcia. Isis era a deusa do amor e da magia, era filha de Geb, deus da terra e de Nut deusa do firmamento.

Por motivos políticos, para que um deus simbolizasse um monarca, aproximavam-se do monoteísmo. Na verdade dizia-se apenas que uns poucos deuses eram mais importantes. O faraó Amemofis IV, abandonou o politeísmo e impos o culto excessivo ao deus Atom, o próprio Sol, e nomeou-se o representante de Aton na terra. No reinado de Ptolomeu, Serápis era o deus oficial, que resultou da fusão dos deuses Osíris e Ápis.


Mitologia nórdica

A mitologia nórdica teve sua origem através das sagas, contos que louvavam os heróis. Surgiram por volta do século X, na Islândia, onde as principais famílias islandesas, desejosas de imortalidade, encarregavam os sgnamenn, homens de extraordinária memória e talento narrativo, de contar os feitos de suas origens. Os reis noruegueses adotaram o mesmo feito. A essas histórias acresciam-se elementos fantásticos e míticos, e os heróis misturavam-se com os deuses.

Os povos nórdicos eram os habitantes dos países hoje conhecidos como Suécia, Noruega, Dinamarca e Islândia. Para esses povos, o centro do mundo era Midgard, o lar dos homens. A casa dos deuses era Asgard, e em torno das duas moradas estava o mar, a terra de gigantes e a grande serpente. Odin, governava os deuses e os homens e conhecia todo o passado, presente e futuro. Seu filho Thor comandava o trovão, que era criado a golpes de martelo. Loki, deus do fogo, era o conselheiro e inimigo dos trapaceiros.

Em Asgard ficava o Valhala, paraíso, onde as valquírias, mulheres guerreiras, levavam os heróis mortos em combate. Ali viveriam eternamente jovens, em lutas caçadas e banquetes, à espera da ressurreição do mundo. Teriam que enfrentar os gigantes, os monstros, a serpente e o filho de Loki. Os heróis seriam vencidos e a terra ficaria toda escura e fria, até a vida recomeçar. Quem não morresse em combate, iria para o reino de Hell, eternamente gelado e em trevas.


Mitologia celta

A mitologia celta é o resultado da mistura de várias civilizações. Os celtas eram povos bárbaros que se espalharam por quase toda a Europa e foram raiz de muitas culturas. Os celtas eram formados por diversas tribos rivais, lideradas por um chefe guerreiro e, cada tribo cultuava suas diferentes divindades.

Os celtas não chegaram a constituir um império com unidade política, mas a unidade cultural era assegurada pelos sacerdotes, chamados druidas, que cuidavam da manutenção das normas. Eram também responsáveis pela prática das magias e rituais religiosos. Para adorar seus deuses, os celtas, inicialmente construíam seus altares ao ar livre, em meio a bosques, onde realizavam seus rituais.

A mitologia celta está dividida em três grupos: a mitologia irlandesa, a britânica e a continental. Entre os principais deuses cultuados pelos celtas estão: Sucellus, o rei dos deuses, que representava a fertilidade; Dagda, deus da magia e da sabedoria; Taranis, deus do trovão que surgia no céu em uma carruagem; Lugh, deus do sol e da luz; Tailtiu e Macha, deusas da natureza; Cernunnos, deus dos animais, com olhos e chifres de cervo, podendo tomar a forma de vários animais; Morrigan, deusa da guerra; Dea Matrona, era a deusa mãe, representada por três mulheres; Epona, deusa dos cavalos. Cuchulain, era filho de Lugh, o herói guerreiro que matava seus inimigos com uma lança cheia de espinhos."

www.curiosidades.jeitoetalento.com.br



+
Revista Jeito e Talento - Turismo e Lazer

_Enigmas JT

 
  Revista Jeito e Talento - Portal BONECOS GIGANTES DE OLINDA_fotos JT
 
  DICAS DE MAQUIAGEM PARA O CARNAVAL_dicas JT
Especial Jeito e Talento - Casamentos  
  ...Marmoraria Padre Donizetti = granito, mármore e ardósia = Marmoraria Padre Donizetti...
 
 
20 - MITOS JAPONÊS, HINDU E CHINÊS _Enigmas JT_treine seu raciocínio _Portal Jeito e Talento_variedades
 

 

"Mitologia japonesa
Como quase toda história mitológica, as histórias da mitologia japonesa contam e tentam explicar a criação do mundo, o surgimento dos deuses e a origem dos imperadores japoneses. As histórias estão em dois livros, um se chama OKOJIKI e o outro NIHONSHOKI, ainda assim, os dois divergem em vários pontos. Vejamos alguns dos mitos mais conhecidos:

O Mito da Criação

Conta que os deuses haveriam convocado dois seres divinos à existência, um chamado IZANAGI (macho) e outro IZANAMI (fêmea), e haveriam lhes ordenado para que criassem seus primeiros lares. Deram a eles de presente uma lança decorada com jóias, a lança do céu, ou AMENONUHOKO. Assim, estas duas divindades seriam a ponte entre terra e céu. Izanagi e Izanami haveriam agitado o mar com a lança do céu e formado assim uma primeira ilha, a ONOGORO-SHIMA. Haveriam eles descido do céu por uma ponte e morado na ilha, onde tiveram filhos. Estes filhos eram porém imperfeitos, e não eram considerados deuses, eles colocaram os filhos em um barco, o qual foi arrastado pela correnteza. Tendo sido repreendidos pelos deuses por causa do seu erro, Izanagi e Izanami casaram-se novamente e deste casamento nasceram OHOYASHIMA, ou seja, as oito principais ilhas do Japão. Segundo o mito, Izanagi e Izanami haveriam gerado ilhas e filhos de sua união, até que Izanami veio a morrer quando deu à luz KAGUTSUCHI, a encarnação do fogo. Este foi, porém, morto pelo pai encolerizado e a partir desta morte surgiram muitas outras divindades.


O Mito do Sol, da Luz e do Vento

Conta a história dos “kamis” que foram gerados a partir do banho de IZANAGI no rio. Entre eles, Amaterasu (sol), Tsukuyomi (lua) e Susanoo (mar). A partir destas primeiras divindades mitológicas, é contada a história da criação do mundo, do Japão e dos demais elementos da natureza. Os principais deuses conhecidos da mitologia japonesa são: Shinigami - o deus da Morte; Kagutsuchi, o deus do fogo; Amaterasu, a deusa do sol; Tsuki-yomi, o deus da lua; Susanowo, o deus da tempestade. Outro elemento interessante da mitologia japonesa são as histórias que envolvem as raposas (kitsunes). Para o folclore japonês, as raposas são descritas como seres inteligentes e até com capacidades mágicas. Muitos são os mitos japoneses, chineses, coreanos e até indianos envolvendo estes animais.


Mitologia Hindu - deuses e deusas PANTEÃO HINDU Há muitos deuses dentro da cultura e prática religiosa hindu e até o deus principal tem inúmeras faces. Os membros da trindade ou trimurti são Brahma, Vishnu e Shiva. BRAHMA.

O deus da Criação, Brahma, um dos três trimurti, é o senhor dos deuses e da humanidade. Ele criou o Cosmos e é geralmente descrito com quatro mãos e quatro cabeças. Suas mãos representam as quatro direções e carregam: uma ferramenta sacrificial, os Vedas (escrituras sagradas), um cálice de água e contas para rezar. É o intermediário entre Vishnu e Shiva.

SHIVA

O senhor da renovação e da destruição, Shiva é um dos grandes deuses da trindade hindu. Deus dos opostos e associado ao erotismo, também é o deus da masculinidade, e geralmente é representado montando o touro Nandi, símbolo de virilidade. Ele é desenhado com um terceiro olho no meio da testa, símbolo de iluminação. Shiva também é conhecido como o deus da dança.

VISHNU

Vishnu é o preservador do Cosmos, o protetor do mundo. Ele aparece como um dos muitos avatares quando o mundo está sob ameaça, tais como Rama e Krishna, na forma humana, Kurma, na forma de uma tartaruga, Matsya, na forma de um peixe, dentre muitas outras formas. Ele carrega uma concha, para afugentar demônios; uma clava, indicando sua força; um disco, para usar contra o mal; e a flor de lótus, simbolizando reencarnação.

KRISHNA

Krishna é a oitava encarnação de Vishnu e é conhecido como pastor sagrado da vaca. Em sua juventude, quando ele pastoreava vacas, tocava flauta para atrair as mulheres e filhas de outros pastores, assim se tornando conhecido como um grande amante. É associado à alegria do relacionamento entre deuses e humanos. É conhecido por suas travessuras selvagens e sua natureza brincalhona.

GANESHA

Também chamado de Ganesh, essa deidade com cabeça de elefante é conhecida por sua capacidade de transpor qualquer obstáculo. Simboliza abundância e conhecimento sagrado e é visto como o que traz a alegria às famílias. Sua cabeça simboliza sabedoria e alma, ou Atman, o último grau de divindade que os humanos podem atingir. Seu corpo humano, Maya, representa sua existência terrena como humano. É filho de Shiva.

KALI

Uma face feminina da divindade, Kali retrata a energia destrutiva, mas é também a deusa mãe ligada à criação. Conhecida como a Mãe Negra, Kali carrega uma espada e a cabeça de um demônio que ela matou. Usa um colar com 50 crânios, que representam os 50 caracteres do alfabeto sânscrito e indica o papel de Kali como deusa do conhecimento e destruidora da ignorância.

AGNI

O mensageiro dos deuses e responsável pela conexão entre eles e os seres humanos. Costuma ser representdo no auge da juventude, já que seu fogo é apagado e aceso todos os dias. Na maioria dos relatos, costuma ser descrito como o filho mais velho de Brahma. DEUSES MENORES Deuses e deusas hindus apresentam diferentes formas e aspectos de uma mesma divindade ou energia. Aqui estão alguns dos mais conhecidos aspectos dos deuses maiores.

PARVATI Energia de Shiva, LAKSHMI Energia de Vishnu, HANUMAN Deus Macaco, VARUNA Deus do céu, de chuva e do oceano celestial, INDRA Rei dos deuses, governante dos céus, VAYU Amigo e servo de Indra,SURYA Deus-chefe do Sol, YAMA Deus da morte, GARUDA Escolhido por Vishnu, Garuda tem o corpo de uma ave de rapina, cabeça humana com três olhos e bico de águia. Sempre mostrado espantando cobras e simbolizando a luta sem fim entre o Bem e o Mal, vida e morte, os poderes celestiais contra as preocupações terrenas. A força deste símbolo duplica quando em companhia de Vishnu, já que ele é o deus que destrói a vida e a restaura.

Mitologia Chinesa


A mitologia chinesa foi criada pela conjugação de diversos elementos, alguns dos quais com origem em tempos imemoriais e outros provindos das três religiões maioritárias na China: o Taoísmo, o Confucionismo e o Budismo. Como adiante se referirá, uma das lendas sobre a criação do mundo (a partir do gigante Pangu) derivou precisamente da doutrina taoísta, segundo alguns estudiosos.

São várias as hipóteses que a mitologia da China aponta para a origem do mundo, variando de acordo com os locais e mesmo as etnias. Uma das origens do mundo, considerada filosófica, mais do que mitológica, foi o vapor, que formaria os dois princípios do Yin e do Yang para criar tudo aquilo que vive, sendo uma segunda a da separação de diferentes matérias sobrepostas até se criarem a Terra e o Céu.

Um dos mitos mais conhecidos refere-se ao facto de o corpo quase sem vida de um gigante chamado Pangu ter originado os seres humanos e o mundo: os humanos nasceram dos parasitas do seu corpo, os seus fluidos corporais originaram os rios e a chuva, os seus membros as montanhas, a sua respiração as nuvens e o vento, o Sol e a Lua advieram dos olhos, os seus pelos geraram a vegetação, a voz os trovões e os cabelos as estrelas. Diz-se ainda que o mundo e tudo o que ele contém poderá igualmente ter surgido a partir das 70 transformações por que passou a deusa Nugua. Esta terá criado os humanos em barro, dando posteriormente vida às figuras; contudo, estas foram hierarquicamente separadas em nobreza (argila amarela, cor dos seres superiores) e povo.

Houve também um dilúvio, com quatro versões. Uma delas e a mais difundida conta como o herói Yu comandou as águas com o poder da sua inteligência, às suas virtudes e à potência física, apesar de contar com a ajuda da tartaruga, dos dragões da água e de outros seres sobrenaturais. Yu tornou-se o fundador da mítica dinastia Hia depois de separar o mundo em nove regiões.
Os deuses chineses organizam-se em torno de um supremo, o Augusto Jade; os seguintes em importância são os Bodisatvas, imortais, sendo os restantes divindades secundárias que estão sujeitas à vontade do deus supremo e à morte (renascendo sob a forma humana)."


http://pt.wikipedia.org/wiki/Mitologia_japonesa.
http://www.infopedia.pt/$mitologia-chinesa
MALLON, Brenda; Os Símbolos Místicos - Um guia completo para símbolos e sinais mágicos e sagrados; 1. ed.; 2009; Larousse; São Paulo. Revista Super Interessante - Edição Especial - O Livro das Mitologias Um guia completo de deuses, heróis e lendas, edição 280-A Julho de 2010 Editora Abril, São Paulo.

www.curiosidades.jeitoetalento.com.br



+
Revista Jeito e Talento - Eventos e Festas

_Fotografando JT

 
  Revista Jeito e Talento - Portal COSPLAY GIRLS_fotos JT
 
  ENIGMAS VISUAIS_enigmas JT
Especial Jeito e Talento - Casamentos  
  ...Curiosidades JT_saiba tudo sobre tudo...
 
 
     
Recomende: facebook | twitter | orkut | msn (contato@jeitoetalento.com)
 
 
 
CURIOSIDADES (JT)

CURIOSIDADES (JT)
 
    ANTERIORES - PRÓX. CURIOSIDADES    
  PÁGINAS << 01 ... 03 04 05 ... 06 >> MENU  
VEJA TAMBÉM...

menu curiosidades CURIOSIDADES DOS PARQUES DA DISNEYPARQUE PORTUGAL, EM CAMPINAS/SPO ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO/SPBOSQUE E ZOOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO/SPA HISTÓRIA DE WALT DISNEYMUSEU CASA PORTINARI - BRODOWSKI/SPO MUSEU CATAVENTO DE SÃO PAULO/SPPARQUE CURUPIRA, RIBEIRÃO PRETO/SPO QUE É O PETARAQUÁRIO DE SÃO PAULO/SPPARQUE RAYA, RIBEIRÃO PRETO/SP

_anuncie_ __________ PORTAL __________ _anuncie_
_Vizioli Imóveis_compra, venda, administração e locação _Burin Auto Center_pneus, alinhamento, balanceamento _Vizioli Imóveis_compra, venda, administração e locação GRIFE JEITO E TALENTO _Fotos Mais JT_as mais belas fotos selecionadas _Loja do Sidney_calçados, enxovais, confecções em geral _Jogos Mais JT_os jogos mais divertidos

Painel Jeito e Talento Painel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e TalentoPainel Jeito e Talento

(www.frases.jeitoetalento.com)
(JT) (www.tendasglobal.jeitoetalento.com)